domingo, 29 de junho de 2014

A CHURRASCARIA




A CHURRASCARIA

Leandro era um rapaz magro, cabelos espessos, olhar forte e decidido. Trabalhava em consertos de cabos de alta tensão, viajando pelas cidades do interior do estado de São Paulo. Se arriscava muitas vezes, dependurado nas torres de energia, instalando ou trocando os grossos cabos de alta tensão. Geralmente viajava a semana inteira, de cidade em cidade, pernoitando em pequenos hotéis das cidades que visitava. Muitas vezes, parava nos restaurantes de beira de estrada para almoçar, jantar ou fazer um lanche.
Naquele dia, Leandro parou numa churrascaria. Havia um enorme anúncio escrito: "Rodízio de carnes nobres". Nobres? O que seriam as carnes nobres? Na dúvida, resolveu parar e experimenta o tal rodízio.
_O que são estas carnes nobres?- perguntou ao caixa.
_Aqui temos vários tipos de carne. De frango à jacaré.
_Hum! Acho que vou experimentar. O preço é muito bom.
_Então queira sentar-se. Escolha a mesa que quiser.
O garçom começou trazendo carnes brancas, mas dava para sentir que eram bichos diferente.
_Esta carne branca é de que bicho?
_Nos temos uma política na churrascaria de não dar informação do que o cliente está comendo. Tivemos problemas com um senhor que comeu cobra e morreu. Não foi por causa da cobra, mas a família queria nos incriminar. Posso te dizer que depois deste episódio, abolimos a carne de cobra, mas não dizemos mais o que o cliente comeu. Quer comer coma. Apenas não pergunte.
Achou esquisito a atitude da churrascaria. Ficou pensativo, mas acabou achando razoável.
Depois das carnes brancas, vieram as escuras, outras sangrentas, umas com alho, outras só com sal. Algumas, conhecia, ou, parecia conhecer. Já tinha comido coração e miolo de boi, buchada e outros pratos exóticos.
Comeu até se empanturrar. Deu até sono pra seguir viagem. Mas como tinha horário pra cumprir, tomou um café e seguiu. Não era muito longe dali onde ia.
Chegando na próxima cidade, alugou um quarto, tomou um banho, sentiu-se meio enjoado com tanta carne. Desceu para a sala central da pensão. No centro da sala havia uma mesa com jornais e revistas. Era rodeada por uns velhos sofás vermelhos, gastos pelo tempo. Resolveu ler um jornal.
Estava em primeira página a notícia de vários caminhões da carga roubados naquela região. Todos desaparecidos com caminhoneiro e tudo. As pessoas temiam sair de noite da cidade. Uns achavam que eram bandidos, outros tinham medo de assombração e outros ainda, achavam que eram extraterrestres que raptavam pessoas e aproveitavam para pesquisar as mercadorias do caminhão.
Leandro era meio assustado. Decidiu dormir mais cedo para não se arriscar. De manhã, começou seu serviço já com ideia de na hora do almoço ir embora e passar de novo na churrascaria. Conseguiu. Saiu até mais cedo do que esperava.
Quando foi chegando perto da churrascaria viu luzes vermelhas e amarelas. Seu coração quase saltou pela boca, pensando na história dos ETs. Chegando mais próximo, viu que se tratava de policiais, e, a churrascaria estava interditada.
Curioso, perguntou ao guarda que estava mais próximo.
_Que aconteceu seu guarda?
_Esta churrascaria era na realidade de um quadrilha de roubo de caminhões. Pegavam os caminhões e levavam direto para a fronteira pelo Paraguai, com placas e documentos falsificados.
_Nossa! Quem diria. Uma churrascaria tão grande e com o movimento de pessoas que tinha!
_O pior é que não é só isso. Eles pegavam os motoristas dos caminhões roubados e matavam. Os cortavam em pedaços e vendiam como carne nobre na churrascaria. Evitavam falar de que bicho usavam a carne. Já imaginou quanta gente comeu carne de gente aqui?
Leandro imaginou. As apetitosas rodadas de carnes que havia comido. As variadas carnes que não sabia o que era. Sentiu náusea. Quis sair logo dali.
No radio dava pra ouvir o comentário de um jornalista:
_A churrascaria tinha o nome de "Churrascaria do Anibal". Disse um dos pertencentes da quadrilha que era uma homenagem prum filme de seu ator predileto. Anthony Hopkins.
_Eu queria colocar o nome do filme, mas não sabia direito como escrevia, coloquei "Anibal" mesmo. Só depois vi que tinha um H. É Hanibal. Churrascaria do Hannibal.

"Escutei esta história de um conhecido que viajava pelo país. Diz ele, que comeu carne de gente sem saber.
Verdade ou mentira? Nunca mais o vi, mas sempre me lembro desta história macabra".

Elder Prior

Nenhum comentário:

Postar um comentário